Pular para o conteúdo

23 de setembro de 2008

2

Degraus – Herman Hesse

por cila schulman

Assim como as flores murcham
E a juventude cede à velhice,
Também os degraus da Vida,
A sabedoria e a virtude, a seu tempo,
Florescem e não duram eternamente.
A cada apelo da vida deve o coração
Estar pronto a despedir-se e a começar de
novo,
Para, com coragem e sem lágrimas se
Dar a outras novas ligações. Em todo
O começo reside um encanto que nos
Protege e ajuda a viver
Serenos transpunhamos o espaço após
espaço,
Não nos prendendo a nenhum elo, a um
lar;
Sermos corrente ou parada não quer o
espírito do mundo
Mas de degrau em degrau elevar-nos e
aumentar-nos.
Apenas nos habituamos a um círculo de
vida,
Íntimos, ameaça-nos o torpor;
Só aquele que está pronto a partir e parte
Se furtará à paralisia dos hábitos.
Talvez também a hora da morte
Nos lance, jovens, para novos espaços,
O apelo da Vida nunca tem fim …
Vamos, Coração, despede-te e cura-te!

Anúncios
Leia mais de Geral
2 Comentários Comente
  1. Hellen
    jan 5 2009

    Perfeitoo

    Responder
  2. O Nativo
    mar 5 2009

    gosto muito deste poema.
    é muito forte.
    fiz algumas alterações a tradução,
    assim (creio eu) ficou mais perto do original alemão (em baixo).
    um abraço,

    mx|lx

    ====

    Degraus | Hermann Hesse

    Assim como cada flor murcha e cada juventude
    Cede à velhice, assim floresce cada degrau da vida,
    Assim floresce cada sabedoria e cada virtude
    A seu tempo, e não pode durar eternamente.

    Deve o coração a cada apelo da vida
    Estar pronto a despedir-se e a começar de novo,
    Para, com coragem e sem lágrimas se
    Dar a outras, novas ligações.

    E em cada recomeço reside um encanto
    Que nos protege e que nós ajuda a viver.

    Devemos alegremente atravessar espaço após espaço,
    Não ficar preso a mais que uma terra,
    O espírito do mundo não nos quer prender ou parar,
    Mas elevar-nos degrau por degrau, e aumentar.

    Mal nos entramos num círculo de vida,
    Habituados intimamente, ameaça-nos o torpor,
    Só aquele que está pronto para a Partida e Viagem,
    Se furtará à paralisia dos hábitos.

    Talvez também até ainda a hora do fim
    Lançará nós, jovens, para novos espaços,
    O apelo da Vida nunca acabará …
    Vamos então, Coração, diz adeus e cura!

    ====

    Original:
    Stufen | Hermann Hesse

    Wie jede Blüte welkt und jede Jugend
    Dem Alter weicht, blüht jede Lebensstufe,
    Blüht jede Weisheit auch und jede Tugend
    Zu ihrer Zeit und darf nicht ewig dauern.

    Es muß das Herz bei jedem Lebensrufe
    Bereit zum Abschied sein und Neubeginne,
    Um sich in Tapferkeit und ohne Trauern
    In andre, neue Bindungen zu geben.

    Und jedem Anfang wohnt ein Zauber inne,
    Der uns beschützt und der uns hilft, zu leben.

    Wir sollen heiter Raum um Raum durchschreiten,
    An keinem wie an einer Heimat hängen,
    Der Weltgeist will nicht fesseln uns und engen,
    Er will uns Stuf’ um Stufe heben, weiten.

    Kaum sind wir heimisch einem Lebenskreise
    Und traulich eingewohnt, so droht Erschlaffen,
    Nur wer bereit zu Aufbruch ist und Reise,
    Mag lähmender Gewöhnung sich entraffen.

    Es wird vielleicht auch noch die Todesstunde
    Uns neuen Räumen jung entgegen senden,
    Des Lebens Ruf an uns wird niemals enden…
    Wohlan denn, Herz, nimm Abschied und gesunde!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Observação: HTML é permitido. Seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Assinar os comentários

%d blogueiros gostam disto: